A INSTITUIÇÃO DA CIRCUNCISÃO E A NOVA ALIANÇA

Querendo alguns da comunidade Judaica ou Judaica/Messiânica praticar o proselitismo no meio dos gentios convertidos da igreja de Deus, acabam por oferecerem a prática da circuncisão, sendo assim importante...

Querendo alguns da comunidade Judaica ou Judaica/Messiânica praticar o proselitismo no meio dos gentios convertidos da igreja de Deus, acabam por oferecerem a prática da circuncisão, sendo assim importante dentro do contexto Bíblico fazermos uma análise sobre esta prática, bem como suas obrigações e período de vigência.

Por: Evangelista Flavio Schmidt de Carvalho

Copyright “©” Igreja de Deus do Sétimo Dia, Movimento Congregacional.

A Instituição da Circuncisão e a Nova Aliança.

Foi o sinal físico instituído por Deus em Abraão e sua descendência, caracterizando a nação Hebraica como um povo separado dentro de um pacto e leis, tornando-os compromissados a uma prática étnica e social.

Gênesis 17: 9-14 “Disse mais Deus a Abraão: Ora, quanto a ti, guardarás o meu pacto, tu e a tua descendência depois de ti, nas suas gerações.Este é o meu pacto, que guardareis entre mim e vós, e a tua descendência depois de ti: todo varão macho será circuncidado Circuncidar-vos-eis na carne do prepúcio; e isto será por sinal de pacto entre mim e vós. A idade de oito dias, todo varão dentre vós será circuncidado, por todas as vossas gerações, tanto o nascido em casa como o comprado por dinheiro a qualquer estrangeiro, que não for da tua linhagem. Com efeito será circuncidado o nascido em tua casa, e o comprado por teu dinheiro; assim estará o meu pacto na vossa carne como pacto perpétuo. Mas o incircunciso, que não se circuncidar na carne do prepúcio, essa alma será extirpada do seu povo; violou o meu pacto”.

Este pacto estabelecido com Abraão e sua descendência, abrangia também aos estrangeiros que viessem a fazer parte da Nação. Um pacto bem definido e imposto de geração em geração aos daquela nação formada por Abraão. A circuncisão sempre tipificou uma separação ou santidade de viver para Deus, mais do que o ato em si, o Senhor buscava nestes, os da nação, uma vida palmilhada pela fé e justiça que uma vez havia sido deixada no exemplo do Patriarca Abraão. Uma prova desta ótica divina podemos observar quando o Senhor através do Profeta Jeremias tornava conhecido qual realmente a circuncisão pela qual deveria o povo ter.

Jeremias 9: 23-26 “Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em entender, e em me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço benevolência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor. Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que castigarei a todo circuncidado pela sua incircuncisão: ao Egito, a Judá e a Edom, aos filhos de Amom e a Moabe, e a todos os que cortam os cantos da sua cabeleira e habitam no deserto; pois todas as nações são incircuncisas, e toda a casa de Israel é incircuncisa de coração”.

Ezequiel 44: 7 “Porquanto introduzistes estrangeiros, incircuncisos de coração e incircuncisos de carne, para estarem no meu santuário, para o profanarem, quando ofereceis o meu pão, a gordura, e o sangue; e vós quebrastes o meu pacto, além de todas as vossas abominações”.

Notamos distintamente por esta profecia, que o Senhor Deus buscava na nação israelita ou mesmo dentre os gentios a circuncisão espiritual, a do coração convertido e obediente e praticante da justiça, porém aos olhos dos mesmos entendiam apenas a circuncisão material, feita pelo despojo na carne, quando devia entender o propósito implícito neste pacto, a circuncisão espiritual.

Esta falta de visão espiritual veio fazer com que o pacto inicial se torna-se caduco e impotente, assim sendo nas profecias do A. T. o Senhor Deus veio advertindo uma mudança no pacto, e a inclusão de um pacto mais amplo e novo onde gentios e Judeus seriam justificados pelo Messias. Vejamos algumas destas profecias.

Gênesis 22:18 ….”e em tua descendência serão benditas todas as nações da terra; porquanto obedeceste à minha voz”. Nações gentílicas seriam abençoadas com as bênçãos espirituais de Abraão, por causa de sua obediência.

Uma posteridade, ou herdeiro levaria esta benção aos gentios sob um novo e melhor Pacto

Hebreus 8: 6-13 “Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador (Jesus) de um melhor pacto, o qual está firmado sobre melhores promessas. Pois, se aquele primeiro fora sem defeito, nunca se teria buscado lugar para o segundo. Porque repreendendo-os, diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, em que estabelecerei com a casa de Israel e com a casa de Judá um novo pacto. Não segundo o pacto que fiz com seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; pois não permaneceram naquele meu pacto, e eu para eles não atentei, diz o Senhor. Ora, este é o pacto que farei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor; porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo; e não ensinará cada um ao seu concidadão, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior. Porque serei misericordioso para com suas iniquidades, e de seus pecados não me lembrarei mais. Dizendo: Novo pacto, ele tornou antiquado o primeiro. E o que se torna antiquado e envelhece, perto está de desaparecer..

Nitidamente pela argumentação do escritor do Livro de Hebreus, citando a passagem do Antigo testamento do profeta Jeremias, demonstra a rigor a vigência de um novo e melhor pacto, onde a circuncisão espiritual de coração colocaria os da casa de Israel, bem como os gentios neste concerto como veremos mais citações a seguir comprovando.

Isaías 51: 2-4 “Olhai para Abraão, vosso pai, e para Sara, que vos deu à luz; porque ainda quando ele era um só, eu o chamei, e o abençoei e o multipliquei. Porque o Senhor consolará a Sião; consolará a todos os seus lugares assolados, e fará o seu deserto como o Éden e a sua solidão como o jardim do Senhor; gozo e alegria se acharão nela, ação de graças, e voz de cântico. Atendei-me, povo meu, e nação minha, inclinai os ouvidos para mim; porque de mim sairá a lei, e estabelecerei a minha justiça como luz dos povos (gentios)”.

Aqui encontramos promessa de um pacto que seria estabelecido e propagado aos gentios também através de uma posteridade, um descendente de Abraão o Messias prometido.

Continuamos a ver então mais passagens comprovando isto.

Mateus 18: 18 “Eis aqui o meu servo que escolhi, o meu amado em quem a minha alma se compraz; porei sobre ele o meu espírito, e ele anunciará aos gentios o juízo”.

Romanos 4: 7-17 “Bem-aventurados aqueles cujas iniqüidades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputará o pecado. Vem, pois, esta bem-aventurança sobre a circuncisão somente, ou também sobre a incircuncisão? Porque dizemos: A Abraão foi imputada a fé como justiça. Como, pois, lhe foi imputada? Estando na circuncisão, ou na incircuncisão? Não na circuncisão, mas sim na incircuncisão. E recebeu o sinal da circuncisão, selo da justiça da fé que teve quando ainda não era circuncidado, para que fosse pai de todos os que crêem, estando eles na incircuncisão, a fim de que a justiça lhes seja imputada, bem como fosse pai dos circuncisos, dos que não somente são da circuncisão, mas também andam nas pisadas daquela fé que teve nosso pai Abraão, antes de ser circuncidado. Porque não foi pela lei que veio a Abraão, ou à sua descendência, a promessa de que havia de ser herdeiro do mundo, mas pela justiça da fé. Pois, se os que são da lei são herdeiros, logo a fé é vã e a promessa é anulada. Porque a lei opera a ira; mas onde não há lei também não há transgressão. Porquanto procede da fé o ser herdeiro, para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda a descendência, não somente à que é da lei, mas também à que é da fé que teve Abraão, o qual é pai de todos nós. (como está escrito: Por pai de muitas nações te constituí) perante aquele no qual creu, a saber, Deus, que vivifica os mortos, e chama as coisas que não são, como se já fossem”.

Claramente entendemos que as bênçãos espirituais não foram atreladas ao pacto da circuncisão, pois Abraão foi justificado e escolhido pelo Senhor Deus sendo ainda gentio, e seu ato de obediência e fé, fez com que fosse estabelecido o pacto da circuncisão, porém provendo Deus um melhor e mais firme pacto, donde os gentios igualmente com os descendentes da carne (israelitas) viriam obter as benção feita a Abraão, e isto pelo intermédio do Messias Jesus Cristo.

Como diz as escrituras a respeito:

Efésios 2: 11-19 “Portanto, lembrai-vos que outrora vós, gentios na carne, chamam circuncisão, feita pela mão dos homens, estáveis naquele tempo sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos aos pactos da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo. Mas agora, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto. Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos contidos em ordenanças, para criar, em si mesmo, dos dois um novo homem, assim fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um só corpo, tendo por ela matado a inimizade; e, vindo, ele evangelizou paz a vós que estáveis longe, e paz aos que estavam perto; porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito. Assim, pois, não sois mais estrangeiros, nem forasteiros, antes sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus,

A circuncisão na carne tornou-se na verdade uma parede de separação entre Judeus e gentios, quando na verdade, a verdadeira circuncisão que o Senhor Deus quer é a espiritual, não vamos dizer com isto agora que os que são descendentes segundo a carne devam seguir os costume gentílico da incircuncisão carnal, mas a imposição da mesma tanto de judeus sobre gentios a circuncisão ou vice versa a incircuncisão sobre Israelitas, pareça sob o novo pacto ter algum valor, como veremos explicitamente demonstrado pelo Apostolo Paulo, judeu circuncidado da Tribo de Benjamim e ministro do evangelho para os gentios.

1Coríntios 7: 18-24 “Foi chamado alguém, estando circuncidado? permaneça assim. Foi alguém chamado na incircuncisão? não se circuncide. A circuncisão nada é, e também a incircuncisão nada é, mas sim a observância dos mandamentos de Deus. Cada um fique no estado em que foi chamado. Foste chamado sendo escravo? não te dê cuidado; mas se ainda podes tornar-te livre, aproveita a oportunidade. Pois aquele que foi chamado no Senhor, mesmo sendo escravo, é um liberto do Senhor; e assim também o que foi chamado sendo livre, escravo é de Cristo. Por preço fostes comprados; mas vos façais escravos de homens. Irmãos, cada um fique diante de Deus no estado em que foi chamado”.

O Antigo testamento fala de um melhor pacto, uma circuncisão espiritual, a obediência aos mandamentos de Deus, incluindo neste pacto a salvação aos povos, também demonstra que a desobediência dos filhos do primeiro pacto os tornaram incircuncisos perante o seu Deus. Mesmo no antigo pacto, onde a circuncisão era obrigatória aos filhos de Israel, fica bem claro pelo oráculo de Yahweh, que Ele buscava em seus filhos a circuncisão dos prepúcios de seus corações, em uma linguagem tipicamente metafórica, mostrando a espiritualização deste procedimento, como veremos então a seguir o que na verdade tanto para Israelita ou gentio a verdadeira circuncisão.

Deuteronômio 10: 16 “Circuncidai, pois, o prepúcio do vosso coração, e não mais endureçais a vossa cerviz”.

Jeremias 4: 4 “Circuncidai-vos ao Senhor, e tirai os prepúcios do vosso coração, ó homens de Judá e habitadores de Jerusalém, para que a minha indignação não venha a sair como fogo, e arda de modo que ninguém o possa apagar, por causa da maldade das vossas obras”.

Romanos 2: 25-29 “Porque a circuncisão é, na verdade, proveitosa, se guardares a lei; mas se tu és transgressor da lei, a tua circuncisão tem-se tornado em incircuncisão. Se, pois, a incircuncisão guardar os preceitos da lei, porventura a incircuncisão não será reputada como circuncisão? E a incircuncisão que por natureza o é, se cumpre a lei, julgará a ti, que com a letra e a circuncisão és transgressor da lei. Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne. Mas é judeu aquele que o é interiormente, e circuncisão é a do coração, no espírito, e não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus”.

Gálatas 5: 6 “Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão vale coisa alguma; mas sim a fé que opera pelo amor”.

Gálatas 6: 15 “Pois nem a circuncisão nem a incircuncisão é coisa alguma, mas sim o ser uma nova criatura”.

1Coríntios 7: 19 “A circuncisão nada é, e também a incircuncisão nada é, mas sim a observância dos mandamentos de Deus”.

Filipenses 3: 3 “Porque a circuncisão somos nós, que servimos a Deus em espírito, e nos gloriamos em Cristo Jesus, e não confiamos na carne”.

A circuncisão espiritual, o batismo, a renovação e novo nascimento para a obediência a Deus mediante a graça regeneradora e Salvadora do Messias Jesus Cristo.

Colossenses 2: 8-23 “Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade, e tendes a vossa plenitude nele, que é a cabeça de todo principado e potestade, no qual também fostes circuncidados com a circuncisão não feita por mãos no despojar do corpo da carne, a saber, a circuncisão de Cristo; tendo sido sepultados com ele no batismo, no qual também fostes ressuscitados pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos; e a vós, quando estáveis mortos nos vossos delitos e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-nos todos os delitos; e havendo riscado o escrito de dívida que havia contra nós nas suas ordenanças, o qual nos era contrário, removeu-o do meio de nós, cravando-o na cruz; e, tendo despojado os principados e potestades, os exibiu publicamente e deles triunfou na mesma cruz. Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados, que são sombras das coisas vindouras; mas o corpo é de Cristo. Ninguém atue como árbitro contra vós, afetando humildade ou culto aos anjos, firmando-se em coisas que tenha visto, inchado vãmente pelo seu entendimento carnal, e não retendo a Cabeça, da qual todo o corpo, provido e organizado pelas juntas e ligaduras, vai crescendo com o aumento concedido por Deus. Se morrestes com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos sujeitais ainda a ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como: não toques, não proves, não manuseies (as quais coisas todas hão de perecer pelo uso), segundo os preceitos e doutrinas dos homens? As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria em culto voluntário, humildade fingida, e severidade para com o corpo, mas não têm valor algum no combate contra a satisfação da carne.

Por estas citações, baseado também no Antigo Testamento, vemos claramente que o Batismo e a regeneração espiritual tornou-se sem sombras de dúvidas a circuncisão pela qual Deus almeja a todos os filhos Dele, sejam Israelitas naturais ou gentios na carne.

Colossenses 3: 9-11 “não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do homem velho com os seus feitos, e vos vestistes do novo, que se renova para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou; onde não há grego nem judeu, circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, escravo ou livre, mas Cristo é tudo em todos”.

Neste caso então o ser uma nova criatura, isso sim é o verdadeiro Judeu espiritual e filho de Abraão e na certeza de ser herdeiro das mesmas promessas feitas a ele. O verdadeiro ato de circuncisão o batismo em Jesus Cristo, não o Judeu circuncidado na carne para cumprir a lei, mas a figura do novo nascimento em sua ressurreição, tornando-nos descendência em Abraão, juntamente com todos os que na carne circuncidados também em espírito o são.

Gálatas 3: 27-29 “Porque todos quantos fostes batizados em Cristo vos revestistes de Cristo. Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus. E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa”.

Sabendo destas coisas, o gentio que se deixa levar pelos argumentos do falso Judeu, ou seja, aquele que o diz ser apenas na carne e tenta submetê-lo a circuncisão carnal, podemos com certeza afirmar que esta atitude em valorizar o ato em si e sua obrigatoriedade , estará invalidando desta maneira o pacto mais perfeito que foi feito em Jesus Cristo, e o gentio ou mesmo o Judeu que nisto se fiar, caído da graça e afastado do pacto mais perfeito está, apartou-se de Cristo..

Gálatas 3: 1-26 “ó insensatos gálatas! quem vos fascinou a vós, ante cujos olhos foi representado Jesus Cristo como crucificado? Só isto quero saber de vós: Foi por obras da lei que recebestes o Espírito, ou pelo ouvir com fé? Sois vós tão insensatos? tendo começado pelo espírito, é pela carne que agora acabareis? Será que padecestes tantas coisas em vão? Se é que isso foi em vão. Aquele pois que vos dá o espírito, e que opera milagres entre vós, acaso o faz pelas obras da lei, ou pelo ouvir com fé? Assim como Abraão creu a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça. Sabei, pois, que os que são da fé, esses são filhos de Abraão. Ora, a Escritura, prevendo que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou previamente a boa nova a Abraão, dizendo: Em ti serão abençoadas todas as nações. De modo que os que são da fé são abençoados com o crente Abraão. Pois todos quantos são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque escrito está: Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las. É evidente que pela lei ninguém é justificado diante de Deus, porque: O justo viverá da fé; ora, a lei não é da fé, mas: O que fizer estas coisas, por elas viverá. Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; para que aos gentios viesse a bênção de Abraão em Jesus Cristo, a fim de que nós recebêssemos pela fé a promessa do Espírito. Irmãos, como homem falo. Um testamento, embora de homem, uma vez confirmado, ninguém o anula, nem lhe acrescenta coisa alguma. Ora, a Abraão e a seu descendente foram feitas as promessas; não diz: E a seus descendentes, como falando de muitos, mas como de um só: E a teu descendente, que é Cristo. E digo isto: Ao testamento anteriormente confirmado por Deus, a lei, que veio quatrocentos e trinta anos depois, não invalida, de forma a tornar inoperante a promessa. Pois se da lei provém a herança, já não provém mais da promessa; mas Deus, pela promessa, a deu gratuitamente a Abraão. Logo, para que é a lei? Foi acrescentada por causa das transgressões, até que viesse o descendente a quem a promessa tinha sido feita; e foi ordenada por meio de anjos, pela mão de um mediador. Ora, o mediador não o é de um só, mas Deus é um só. É a lei, então, contra as promessas de Deus? De modo nenhum; porque, se fosse dada uma lei que pudesse vivificar, a justiça, na verdade, teria sido pela lei. Mas a Escritura encerrou tudo debaixo do pecado, para que a promessa pela fé em Jesus Cristo fosse dada aos que crêem. Mas, antes que viesse a fé, estávamos guardados debaixo da lei, encerrados para aquela fé que se havia de revelar. De modo que a lei se tornou nosso aio, para nos conduzir a Cristo, a fim de que pela fé fôssemos justificados. Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de aio. Pois todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus”.

Esta argumentação da carta Paulina dispensa comentários, pois em si é bem clara, aquele que recebe a circuncisão espiritual, não pode novamente submeter-se a um pacto invalidado e a leis rígidas que nem os da própria nação Israelita conseguiram levar o jugo, mesmo porque a lei e a circuncisão serviu de aio (condutor) até que viesse o melhor pacto, sob Jesus Cristo o Messias. Como agora uma vez sob a graça voltar ao jugo da lei e da justificação pelas obras?! Seria voltar a escravidão depois de libertos.

Gálatas 4: 1-7, 21-31 “Ora, digo que por todo o tempo em que o herdeiro é menino, em nada difere de um servo, ainda que seja senhor de tudo; mas está debaixo de tutores e curadores até o tempo determinado pelo pai. Assim também nós, quando éramos meninos, estávamos reduzidos à servidão debaixo dos rudimentos do mundo; mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo de lei, para resgatar os que estavam debaixo de lei, a fim de recebermos a adoção de filhos. E, porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai. Portanto já não és mais servo, mas filho; e se és filho, és também herdeiro por Deus… Dizei-me, os que quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei? Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava, e outro da livre. Todavia o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa. O que se entende por alegoria: pois essas mulheres são dois pactos; um do monte Sinai, que dá à luz filhos para a servidão, e que é Agar. Ora, esta Agar é o monte Sinai na Arábia e corresponde à Jerusalém atual, pois é escrava com seus filhos. Mas a Jerusalém que é de cima é livre; a qual é nossa mãe. Pois está escrito: Alegra-te, estéril, que não dás à luz; esforça-te e clama, tu que não estás de parto; porque mais são os filhos da desolada do que os da que tem marido. Ora vós, irmãos, sois filhos da promessa, como Isaque. Mas, como naquele tempo o que nasceu segundo a carne perseguia ao que nasceu segundo o Espírito, assim é também agora. Que diz, porém, a Escritura? Lança fora a escrava e seu filho, porque de modo algum o filho da escrava herdará com o filho da livre. Pelo que, irmãos, não somos filhos da escrava, mas da livre”.

Esta questão de circuncidar gentios levou os Apóstolos inclusive a resolver em Concílio na cidade de Jerusalém, pois existiam muitos que eram da circuncisão querendo impor as leis Judaicas concernentes a esta prática sobre todo gentio, o que foi decidido por eles e também por Deus, foi que os gentios ficassem desobrigados desta imposição.

Atos 15: 1-11, 13-30 “Então alguns que tinham descido da Judéia ensinavam aos irmãos: Se não vos circuncidardes, segundo o rito de Moisés, não podeis ser salvos. Tendo Paulo e Barnabé contenda e não pequena discussão com eles, os irmãos resolveram que Paulo e Barnabé e mais alguns dentre eles subissem a Jerusalém, aos apóstolos e aos anciãos, por causa desta questão… E, quando chegaram a Jerusalém, foram recebidos pela igreja e pelos apóstolos e anciãos, e relataram tudo quanto Deus fizera por meio deles. Mas alguns da seita dos fariseus, que tinham crido, levantaram-se dizendo que era necessário circuncidá-los e mandar-lhes observar a lei de Moisés. Congregaram-se pois os apóstolos e os anciãos para considerar este assunto. E, havendo grande discussão, levantou-se Pedro e disse-lhes: Irmãos, bem sabeis que já há muito tempo Deus me elegeu dentre vós, para que os gentios ouvissem da minha boca a palavra do evangelho e cressem. E Deus, que conhece os corações, testemunhou a favor deles, dando-lhes o Espírito Santo, assim como a nós; e não fez distinção alguma entre eles e nós, purificando os seus corações pela fé. Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar? Mas cremos que somos salvos pela graça do Senhor Jesus, do mesmo modo que eles também… Depois que se calaram, Tiago, tomando a palavra, disse: Irmãos, ouvi-me: Simão relatou como primeiramente Deus visitou os gentios para tomar dentre eles um povo para o seu Nome. E com isto concordam as palavras dos profetas; como está escrito: Depois disto voltarei, e reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído; reedificarei as suas ruínas, e tornarei a levantá-lo; para que o resto dos homens busque ao Senhor, sim, todos os gentios, sobre os quais é invocado o meu nome, diz o Senhor que faz estas coisas, que são conhecidas desde a antiguidade. Por isso, julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Deus, mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue. Porque Moisés, desde tempos antigos, tem em cada cidade homens que o preguem, e cada sábado é lido nas sinagogas. Então pareceu bem aos apóstolos e aos anciãos com toda a igreja escolher homens dentre eles e enviá-los a Antioquia com Paulo e Barnabé, a saber: Judas, chamado Barsabás, e Silas, homens influentes entre os irmãos. E por intermédio deles escreveram o seguinte: Os apóstolos e os anciãos, irmãos, aos irmãos dentre os gentios em Antioquia, na Síria e na Cicília, saúde. Portanto ouvimos que alguns dentre nós, aos quais nada mandamos, vos têm perturbado com palavras, confundindo as vossas almas, pareceu-nos bem, tendo chegado a um acordo, escolher alguns homens e enviá-los com os nossos amados Barnabé e Paulo, homens que têm exposto as suas vidas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. Enviamos portanto Judas e Silas, os quais também por palavra vos anunciarão as mesmas coisas. Porque pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor maior encargo além destas coisas necessárias: Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição; e destas coisas fareis bem de vos guardar. Bem vos vá. Então eles, tendo-se despedido, desceram a Antioquia e, havendo reunido a assembléia, entregaram a carta”.

Hoje igualmente esta mesma decisão do Concílio Apostólico em Jerusalém deve ser relembrada e ratificada a todos os irmãos gentios que foram chamados a fé de Abraão em Jesus Cristo, que devemos estar com nossos corações circuncidados pela regeneração do espírito de Deus em nossas vidas, não tendo os Judeus, que na carne são como nossos inimigos, mas ao contrário, devemos levar a eles este verdadeiro “ser Judeu”, apresentando-os a verdadeira circuncisão a de Cristo o Salvador, sabendo como assim nós mesmos contra a natureza fomos enxertados na Boa oliveira, eles igualmente se crerem poderoso é o Senhor para os tornar a enxertá-lo de volta ( Romanos cap 11).

Romanos 1: 16 “Porque não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego.

Romanos 2: 9, 10 “tribulação e angústia sobre a alma de todo homem que pratica o mal, primeiramente do judeu, e também do grego; glória, porém, e honra e paz a todo aquele que pratica o bem, primeiramente ao judeu, e também ao grego”;

Assim como a salvação vem dos Judeus e a eles estas promessas dizem respeito, também o ignorar destes fatos traz igualmente a eles a tribulação e angústia, que na história podemos claramente constatar tudo o que ocorreu e veio sobre a nação Judaica, devido seu afastamento e endurecimento ao rejeitarem o Messias Jesus Cristo e não crerem nos profetas do Antigo Testamento que de forma tão contundente falaram dele!

Romanos 2: 17-29 “Mas se tu és chamado judeu, e repousas na lei, e te glorias em Deus; e conheces a sua vontade e aprovas as coisas excelentes, sendo instruído na lei; e confias que és guia dos cegos, luz dos que estão em trevas, instruidor dos néscios, mestre de crianças, que tens na lei a forma da ciência e da verdade; tu, pois, que ensinas a outrem, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas? Tu, que dizes que não se deve cometer adultério, adulteras? Tu, que abominas os ídolos, roubas os templos? Tu, que te glorias na lei, desonras a Deus pela transgressão da lei? Assim pois, por vossa causa, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios, como está escrito. Porque a circuncisão é, na verdade, proveitosa, se guardares a lei; mas se tu és transgressor da lei, a tua circuncisão tem-se tornado em incircuncisão. Se, pois, a incircuncisão guardar os preceitos da lei, porventura a incircuncisão não será reputada como circuncisão? E a incircuncisão que por natureza o é, se cumpre a lei, julgará a ti, que com a letra e a circuncisão és transgressor da lei. Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne. Mas é judeu aquele que o é interiormente, e circuncisão é a do coração, no espírito, e não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus”.

Ficamos então confirmados, que Deus não faz distinção entre gentio ou Judeu, quando o assunto se trata de crer e observar a Lei e receber a justiça que vem por intermédio da fé, mas sim crer em Jesus Cristo e o ser uma nova criatura. O livro de Apocalipse nos declara salvos de todas as nações e costumes, não nos obrigando a adotar os mesmos costumes no tocante ao judaísmo, mas adotar as leis que são da fé de nosso pai Abraão, a obediência à Lei de Deus.

Apocalipse 5: 9, 10 “E cantavam um cântico novo, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda tribo, e língua, e povo e nação; e para o nosso Deus os fizeste reino, e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra”.

Apocalipse 7: 9 “Depois destas coisas olhei, e eis uma grande multidão, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, que estavam em pé diante do trono e em presença do Cordeiro, trajando compridas vestes brancas, e com palmas nas mãos”;

Esta grande salvação de Deus para todos os povos da Terra, de todos os tipos de costumes, etnias e nações foi adquirida, comprada pelo sangue do cordeiro de Deus, o Justo e Messias Jesus Cristo.

Evangelista Flávio Schmidt de Carvalho – igreja de Deus (7º dia) em Campinas – SP – Brasil

Copyright “©” Igreja de Deus do Sétimo Dia, Movimento Congregacional.


Categories
ARTIGOSNOVIDADES
4 Comments on this post.
  • svchost.exe
    20 dezembro 2011 at 4:26 pm
    Leave a Reply

    cool story bro

  • Bank Dell Introduces Android-Based Mobile App .
    24 fevereiro 2012 at 1:07 pm
    Leave a Reply

    As passagens do antigo testamento nos serve de exemplo, para que não venhamos a praticar o mau mais sómente o bÃ

    • Akif
      2 maio 2012 at 9:55 pm
      Leave a Reply

      Sempre gosto dos seus artigos. Bem ao esitlo 2.0 , ne3o e9? Boa leitura, objetiva e fatil para quem este1 no computador fazendo mil coisas ao mesmo tempo. Mas dessa vez acho que vou te incomodar um pouquinho.Para mim, este problema do carreirismo no pastoreio ne3o atinge sf3 os pastores de juventude. Je1 ouvi pastores presidentes preocupados em aumentar o nfamero de membros ou candidatar-se e0 uma igreja maior.O que me incomoda e9 ver a fanica instituie7e3o capaz de transformar o mundo assim, eu creio -, simplesmente reporduzindo as estruturas deste mundo.Pastoreio ne3o deveria ser visto pela perspectiva do profissionalismo. Veja os termos: este1gio, treinamento, resultado . isto e9 assustador!Concordo plenamente com vocea, quando diz que esta deve ser uma preocupae7e3o dos pastores principais. Mas quero acrescentar que esta deve ser uma preocupae7e3o dos pastores da juventude, dos seminaris (candidados a Pastor) e, mais, muito mais, dos candidatos a um semine1rio. Porque ne3o consigo ver Pastor como sinf4nimo de profisse3o ou de um cargo a ser adquirido.Ne3o sou contra pastores que dedicam sua vida integralmente ao servie7o. Porque quando he1 a vontade de Deus, nada se levanta contra. Eu mesma sou porfessora, mas quando estou fora da sala de aula e algue9m pede a minha ajuda, ne3o fae7o como alguns amigos que mandam o aluno marcar hora, eu atendo protamente! Porque este e9 o meu vocare .Devemos, sim e muito -, tomar o cuidado de ne3o engaiolar os Planos de Deus nos mededocres limites dos nossos desejo.

  • download
    16 maio 2012 at 9:33 pm
    Leave a Reply

    whats your twitter?

  • Leave a Reply to Cancel reply

    *

    *

    RELATED BY