Email a um leitor sobre Festas Levíticas – Parte 1.

Festas Leviticas e Judaicas Obrigado por manter o diálogo e os estudos, isso demonstra sinceridade da sua parte. Vamos então a respeito das festas. Estamos falando do cumprimento das...

Festas Leviticas e Judaicas

Obrigado por manter o diálogo e os estudos, isso demonstra sinceridade da sua parte.
Vamos então a respeito das festas.

Estamos falando do cumprimento das festas do antigo Pacto, e vendo a imagem verdadeira delas no novo pacto. Quero dizer com isso, que as festas do antigo pacto, tinham uma imagem futura a ser cumprida no messias, e essas festas eram ordenadas baseando-se em um culto centralizado em Jerusalem e tinha por objetivo fazer sacrificios de animais, bem como, juntamente com as festas a ordenança do dizimo, pois este mesmo também sustentava o fornecimento de animais para sacrificar nas festas.
Vamos aos fatos Bíblicos:

Para que foram ordenadas as festas no Antigo Pacto?

Deut. 12: 1-6,11

Comentário: Pelo contexto vemos que não era em qualquer lugar que deveria fazer os sacrifícios e celebrações, mas em Jerusalém, igualmente também o dízimo e os primogênitos.

As Festas principais obrigavam aos Israelitas o comparecimento em Jerusalém:

Êxodo 23: 14-17

João 4 :19-26

NOTA: Tanto Samaritanos como Judeus sabiam que no Messias haveriam mudanças, cumprir-se-iam os significados destas festas;

Para corroborar que as festas do Antigo Pacto cumpriram seu propósito:

Hebreus 9 :6-25

NOTA: Nitidamente vemos o escritor de Hebreus fazendo um referência a festa de YOM Kippur, ou o dia do Perdão, esta festa do Antigo Pacto, apontava o verdadeiro e único sacrifício do Messias, que agora uma vez por todas, cumpriu cabalmente com o serviço, ou seja , um único serviço completo e durável. Como agora iremos restabelecer memória de pecados e festa de Yom Kippur novamente? Isso seria negar a eficácia do sangue de Jesus Cristo, o Livro de Hebreus é bem claro, que nossos pecados foram perdoados, sem necessidade de festas cíclicas e anuais para fazer expiação ou memória deles.

A Seguir confirmando, que não podemos mais fazer memória de pecados, como fazia na festa de YOM Kippur.

Hebreus 9 :25-28

Celebrar a festa de Yom Kippur, é cair da graça , é negar o sacrifício perfeito e cabal de Cristo, é voltar ao AIO.

Hebreus 7: 22-28
NOTA: EM Cristo Jesus findaram-se as festas cíclicas do YOM Kippur, comemorá-las é voltar aos rudimentos fracos e imperfeitos que estavam vigentes até o tempo da correção e estabelecimento de um pacto mais perfeito.


A Festa da Páscoa:

A festa da Páscoa no Antigo concerto, celebrava a aliança de Deus com o POvo de Israel e a memória da libertação do Egito e da servidão.
Porém em Cristo Jesus, ele estabeleceu uma nova memória, ou seja , o sangue derramado por Ele para selar a salvação do Judeu e do gentio. Jesus Cristo como Testador deveria comemorar a antiga aliança e fazer a Nova, pois ele esta no meio da passagem de um Concerto Antigo para um NOVO e Melhor como claramente vemos ensinado pelo Livro de Hebreu e as cartas Paulinas.
Jesus Cristo não podia deixar de Celebrar a antiga Páscoa, pois ele mesmo nasceu debaixo da Lei e sob o antigo Pacto, tanto é verdade, que recomendou ao Leproso que oferecesse o sacrificio das pombinhas pela purificação conforme ordenava a lei de Moisés! ( Mat 8:4 )

A Festa da Páscoa no Antigo Concerto, conforme era ordenado somente para pessoas circuncidadas na carne:

Porém se algum estrangeiro se hospedar contigo e quiser celebrar a páscoa ao SENHOR, seja-lhe circuncidado todo o homem, e então chegará a celebrá-la, e será como o natural da terra; mas nenhum incircunciso comerá dela. (Êxodo 12 : 48)

Já na Nova Aliança, ela tem um outro significado e estabeleceu-se uma nova ordem, onde o cordeiro Pascal não existe mais, porém o mesmo Cristo é a memória eterna do Sacrificio perfeito, ouseja, Cristo é a nossa Páscoa.

Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós. (I Coríntios 5 : 7)

A Páscoa agora tem um sentido muito mais amplo e espiritual, e não vem na necessidade da circuncisão carnal do prepúcio da carne, nem comemora mais a libertação de uma nação que saiu do Egito, mas a salvação trazida pelo Verdadeiro Cordeiro de Deus que tira o pecado do Mundo.
Neste sentido vemos que não comemoramos mais a festa da Páscoa Judaica, mas a NOVA ALIANÇA do Concerto Eterno de Cristo com a Humanidade, gentios e Israelitas, todos os homens, foi ampliado e mudado a Festa Pascal. O àzimo, não mais os pão sem fermento, mas uma vida de sinceridade, foi espiritualizado, a sombra agora encontrou o real, portanto a sombra deixou de ter significado quando a imagem real do que ela significa já esta vigente.

Colossenses 2: 13-18

OBS: Manter Festas no argumento Judaico, é estar numa compreensão carnal e fora de Cristo.
Convém lembrar que o sábado sétimo dia, não é sombra de coisa alguma, é um dia da criação e memorial dela, mas já os demais sábados festivos, estes sim eram sombra das coisas vindouras, exatamente por isso não temos mais dever e nem obrigação de cumpri-los, porque já cumpriram seu propósito na figura real de Cristo.

Quanto dizer que Paulo celebrava festas Judaicas:

Em um contexto peculiar, ao sabermos que Paulo tinha origem Judaica e que se preocupava muito com seus irmãos Judeus, para de tudo fazer a fim de ganhá-los, o apostolo não estaria impedido de até mesmo utilizar da ocasião das festas para ganhar seus patrícios. Porém vemos nas cartas Paulinas esta nítida linha de divisão, entre o que Paulo fazia e o que ele cria exatamente na Nova Aliança:
Vejamos:

E isto por causa dos falsos irmãos que se intrometeram, e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade, que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão; (Gálatas 2 : 4)

NOTA: Haviam falsos irmãos espiando a Liberdade de Paulo em Cristo Jesus. Quem eram estes?
Ele demonstra:

1  DEPOIS, passados catorze anos, subi outra vez a Jerusalém com Barnabé, levando também comigo Tito.
2  E subi por uma revelação, e lhes expus o evangelho, que prego entre os gentios, e particularmente aos que estavam em estima; para que de maneira alguma não corresse ou não tivesse corrido em vão.
3  Mas nem ainda Tito, que estava comigo, sendo grego, foi constrangido a circuncidar-se;

NOTA: Se o Apóstolo Passou 14 anos sem ir a Jerusalém, certamente não dava toda esta importância sobre festas Judaicas, como alguns tentam insinuar, e ainda, ele critica a postura de seus corregilionários ao constranger Tito a circuncidar-se. Porque faria isso? Se ainda tivesse em mente a permanência de festas Judaicas fazendo parte do bojo doutrinário da Igreja de Deus?

Porque então Paulo, em algumas ocasiões teria apressado em estar em Jerusalém? Para celebrar festas? Não, certamente para estar mais perto de milhares de Judeus que nesta ocasião seria perfeito para pregar e ganhar seus irmãos e compatriotas:

E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. (I Coríntios 9: 20)

Outras provas

Notamos a tristeza de Paulo pelos seus contemporâneos e irmãos Judeus, motivando-o a fazer de tudo para ganhá-los a fé, o que explica sua liberdade e interesse nas festas que ocorriam em Jerusalém, para ganhar alguns deles:
Romanos 9 :2-6
OBS: Paulo como Judeu que era podia até o ponto de permissão estar em rituais do Judaísmo, ele mesmo se declara em tudo o mais zeloso dos Judeus:

Filipenses 3 :2-8

NOTA: Quer um Judeu mais autêntico do que o Apóstolo Paulo? Entretanto ele considerou por perda todas estas coisas, afim de receber a Cristo. E hoje esta acontecendo o contrário, pessoas sem perceber esta na pratica Judaizante negando a Cristo para receber aquilo que agora se tornou escória, sem sentido e já caducado.

Em Hebreus fala a respeito da invalidação das festas do antigo Pacto, do antigo concerto em palavras bem Claras e que não deixam dúvidas

Hebreus 7: 16-18

 

Hebreus 8

13  Dizendo Nova aliança, envelheceu a primeira. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar.

NOTA: Porque voltaremos novamente a estabelecer o que envelheceu?

Sobre as Festas das Cabanas de Zacarias 14

Muito importante fazer notar que as festas de Zacarias, são para gentios e das nações que restarem, não se trata aqui então da Festa das Cabanas ordenada no Antigo PActo, mas de um coisa totalmente Nova e sobre um novo Aspecto e condições. Usar a Festa profética de Zacarias 14, no mínimo não demonstra uma fidelidade com o contexto dela para aqueles que argumento que comemoram festas Judaicas se baseando que elas são válidas ainda nos dias de hoje por causa de Zacarias 14. Porque digo isto?

1. No contexto diz que os participantes são gentios, diferentemente das festas das cabanas do antigo Pacto que eram Israelitas
2. Fala de pragas aqueles que não comemorarem, outra diferença nítida do contexto das festas das cabanas do antigo concerto.
3. Fala que necessariamente tem que ser em Jerusalem na presença do Rei. As festas das cabanas do antigo Pacto, Isarel ainda não era necessariamente uma monarquia.

Algumas perguntas aos defensores de festas das cabanas, sob o argumento profético de Zacarias?

1. Porque comemorariam as festas das cabanas, fora de Jerusalém, quando em todos o contexto diz que somente teria validade em Jerusalém.

 

2 Se comemoram fora da cidade de Jerusalém, onde tem lei estabelecida para isto, sob qual ordem Bíblica tomam a decisão de fazer em qualquer lugar.
3. Se não estão fazendo como ordena, porque fazer, haja vista que a lei deve ser obedecida em tudo como diz: Maldito o que não permanecer em tudo o que esta escrito para fazer.
Todos aqueles, pois, que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las. (Gálatas 3 : 10)
4. Interpretar e fazer festas de forma desorganizada, sem seguir estritamente tudo o que é ordenado, não seria estar debaixo de maldição?

CONCLUSÃO:

As Festas profetizadas para o tempo do Milênio não tem nenhum precedente de continuidade de festas Levíticas e sacrificais, e não são base para comemorar outras festas como dia do Perdão, Páscoa , primícias etc. Seria acrescentar, fazer interpretar a Bíblia a dizer o que ela não quer dizer, ir além.
Outro fato muito importante, se as festividades estão em vigor, igualmente o dízimo e o dízimo dos dízimos. Como sustentar estas festas e suas comilanças, se não pelo dízimo?
Vejo uma incoerência sem tamanho por parte daqueles que advogam que o Dizimo não faz mais parte da nova Aliança, argumentarem que devemos celebrar festas do antigo Pacto.
Espero que tenha lhe mostrado a realidade e o porque, celebrar alguns tipos de festas Judaicas estaríamos negando a eficácia do sangue de Cristo e seu Concerto eterno.
Não sou contra um judeu circuncidado e realmente Israelita celebrar suas festas Nacionais, como PURIM e Páscoa (Memória da Libertação), Hanucah.
Mas um gentio, ou incircuncidado na carne que Cre em Cristo ( Circuncisão espiritual), começar a voltar ao AIO e Sombra, celebrar YOM Kippur, Trombetas, Primícias e Pentecostes, estará no mínimo negando a Cristo de forma velada nesta prática, pois estará fazendo memória de Pecados quando estes foram perdoados em Cristo que é o caso da Festa de YOM Kippur.


Bom é isso por hora.
Ir. Flavio Schmidt

Copyright “©” Igreja de Deus do Sétimo Dia, Movimento Congregacional.

Categories
ARTIGOSESTUDOS BÍBLICOS
4 Comments on this post.
  • Yabuki
    4 outubro 2011 at 9:49 am
    Leave a Reply

    Olá irmão Paz e graça, GOSTEI MUITO do seu artigo, gostaria de fazer umas perguntas:
    1 – Sobre as maldições sobre os que cumprem as festas (ou qualquer que ande segundo as leis), não cabem também aos gentios uma vez que buscam cumprir as leis do antigo pacto-no dizimo-(por exemplo)?
    2-COMO O IRMÃO EXPLICA O TEXTO DE— Mateus 05:17a20——
    17- Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim ab-rogar, mas cumprir.
    Jesus aprova a lei e os profetas. Ele não tem nenhuma objeção às crueldades do Velho Testamento.

    18 – Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei sem que tudo seja cumprido.

    19 – Qualquer, pois, que violar um destes menores mandamentos e assim ensinar aos homens será chamado o menor no Reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no Reino dos céus.

    20 – Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no Reino dos céus.
    ****** JUDEUS E GENTIOS ADORAVAM NO MESMO TEMPLO NA ÉPOCA DE SHA’UL (Paulo)?
    ELES ERAM OBRIGADOS A LARGAR A LEI? ONDE ESTÁ ESCRITO ISTO?
    É POSSIVEL SER JUDEU E CRISTÃO? ****
    ————–Do seu irmão no messias Yeshua, shalom ve hessed, que o Eterno continue te abençoando.———

    • admin
      12 outubro 2011 at 6:53 pm
      Leave a Reply

      Olá Marcos. Que a paz seja com vc.

      Nós ainda publicamos apenas a parte 1 deste email, em breve estaremos postando a parte 2 e 3 e nelas respondem estas questões por vc muito bem colocadas. Inclusive abordaremos profundamente todas as questões levantadas pelos que assim ensinam que ainda deva comemorar festas do ministerio Levitico.

      Atenciosamente

      Vosso Servo em Jesus Cristo

      Evangelista Flavio.

    • admin
      1 março 2013 at 9:42 am
      Leave a Reply

      Shalom

      Yabuki. Festas eram sombras dos bens vindouros e segundo a lei deveriam algumas delas serem realizadas dentro do contexto do sacerdócio Levitico e com sacrifícios de animais e no local correto em Jerusalém no Templo.
      Uma vez que o contexto do sacerdócio levitico esta impraticável dentro do novo Sacerdócio do Messias Yeshua ( Jesus ) que é o Sacerdócio de Melquisedeque, constando que assim as festas se tornam igualmente assim como o dízimo em desuso e inutilidade.
      Lembrar que ao mudar um sacerdócio necessariamente existem mudanças nas leis.
      A lei que Cristo se refere em Mateus 5:17-20 tem um caráter eterno e moral, portanto está ligada aos preceitos dos 10 mandamentos e de cunho moral.

      Espero que tenha esclarecido. Se ainda persistir dúvidas procure no artigo as Leis de cunho temporal e atemporal.

      Evangelista Flavio

  • Irmão Guilherme.
    13 julho 2012 at 8:46 am
    Leave a Reply

    PSC! Irmã Flávio

    Gostei muito do estudo sobre a guarda de festas judaicas. Realmente as pessoas não compreendem o papel Redentor de Jesus Cristo. Irei compartilhar um texto que gosto muito: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, mas não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim. Não anulo a graça de Deus; porque se a justiça provem da lei (Torá) segue-se que Cristo morreu em vão”. (Gálatas2:20-21).
    Já assisti programas de uma comunidade israelita messianica que eles afirmaram que a salvação vem por intermedio da Torá. Ora, se a Torá salva então qual o papel de Jesus Cristo? Nunca concordei com a guarda de festas judaicas, pois não somos judeus e nem gentios, na verdade somos a geração eleita, o sacerdócio real (melquisedeque), a nação santa, o povo adquirido, o povo que alcançou a misericórdia, nós somos a Igreja de Deu!(I Cor.10:32).O que é necessário é apenas guardarmos os mandamentos (A lei moral dos dez mandamentos) e exercer a fé em Jesus Cristo!

    Psc!

    Gostaria de pedir que o irmão me explique este texto:
    “Mas confesso-te que, conforme aquele Caminho, a que chama seita, assim sirvo ao Deus d enossos pais, crendo em TUDO, quanto está escrito na LEI (torá) e nos PROFETAS.(Atos24:14.)

  • Leave a Reply to Cancel reply

    *

    *

    RELATED BY